Que rios nós queremos?

Uma das maiores preocupações após estourar a barragem de brumadinho é a contaminação nos rios, compremetendo toda a qualidade da água, a fauna e a flora da região. Para que o crime ambiental não prejudique mais ainda a natureza, é necessário criar mecanismo de controle e monitoramento da qualidade do rio. No Paraná, o orgão responsável pelo monitoramento e disponibilização dos dados é o AGUASPARANÁ.

Por meio das coletas de qualidade da água do instituto desenvolvi meu TCC, nos vários parâmetros e condições que o orgão atua. Sendo assim, o objetivo da matéria é expor, parte do TCC, quanto a qualidade da água do estado, analisando o cumprimento das leis e a tendência da série histórica. No que tange a estatística e análise de dados será exposto técnicas de análise descritiva e métodos de regressão suavizada.

O primeiro contato com esses dados foi por meio do estágio no ministério público estadual, por meio do projeto da rede ambiental. O preliminar resultado está disponível, no qual foi feito um dashboard, somente com a atributo IQA (Índice de Qualidade da Água).

A base de dados trata de um período de monitoramento entre 1982 a 2013, em 13 bacias hidrográficas do Paraná sendo ao todo 7961 coletas, em 152 rios com 269 pontos de monitoramento.

Relembrando a bacia hidrográfica, pode ser caracterizada por um conjunto de terras drenadas por um rio e seus afluentes, formada nas regiões mais altas do relevo por divisores de água, onde as águas das chuvas escoam superficialmente formando os riachos e rios (TEODORO et al., 2015).

Os dados da matéria podem ser baixados no hidroweb do estado, porém necessitam dos identificadores da estação de monitoramento. Sendo assim estarei disponibilizando o dataset da análise e os identificadores estão na coluna id. As análise foram feitas em R e extraindo o dataset no SQL. Optei em disponibilizar os códigos no repositório do github que complmenta o site .

Então vamos lá, sem mais delongas analisar os dados!

Num primeiro momento, visualizamos toda a série histórica dos dados.

A linha histórica demostra a irregularidade de coletas durante o período. Segundo os servidores consultados do órgão, o motivo desta oscilação é por motivos técnicos, logísticos e estruturais, e que o cenário ideal seriam coletas trimestrais, tornando o gráfico menos volátil.

Exibindo em formato de mapa a localizações dos pontos de monitoramento e a respectiva quantidade de coletas realizadas. Além disso no mapa as linhas dividem as bacias hidrográficas.